COLÔNIA DE FÉRIAS

“Terra à vista!” foi o grito, cheio de liberdade, que ouvimos de Vileco, capitão-mor de uma expedição que viaja em busca de terras de brincar. Junto a eles, veio uma carta, que dizia:

“Adultos,

Mesmo que Vileco, Capitão-mor desta Vossa expedição, e assim os outros capitães escrevam às crianças do mundo a notícia do achamento desta Vossa Terra de Brincar, a qual deu-se o nome Vila do Brincar, que esta nossa expedição teve a sorte de achar, não deixarei de contar, eu mesmo, a todos vocês!

Adianto que não precisam se preocupar, pois aqui não irei narrar mais do que aquilo que vi e me pareceu. Das experiências que vivemos no meio do caminho, e que tentaram endurecer nossos corações criativos, não darei conta de contar aqui — porque o não saberei fazer — e os pilotos devem ter este cuidado.

E portanto, adultos, do que hei de falar começo. E digo quê:

A partida daquele lugar adultizado foi — como vocês devem imaginar — libertadora. Seguimos nosso caminho, por este mar de longo, em calma, e, neste mesmo dia, avistamos terras! Era um muro azul – que de fora, não dava para saber muito bem o que guardava, mas o nome, por si só, já era encantador: VILA DO BRINCAR! Era como a renovação da esperança de uma infância feliz e valorizada.

Navegamos até lá e lançamos âncoras, num plano infalível de diversão infinita, e ali ficamos. Já na frente, uma placa dizia: ao passar pelo portão, favor reduzir a estatura. Ligamos o sétimo sentido que só as crianças são capazes de captar, e, PEI! enxergamos além da realidade. Aquele lugar era encantador.

Fomos recebidos por pessoas grandes com corações de criança e que ali vos chamavam Brincadores. Sorridentes, com a infância brilhando nos olhos, uns tinham a voz calma, outros, voz de diversão – e todos com um carinho que não tem explicação. Contaram que ali era Terra de mais abraços, de curiosidade aguçada e onde podíamos nos transportar mais vezes para as florestas que sempre apareciam na nossa imaginação.

Até agora, ainda não pudemos explorar todos os cantinhos desta Terra para contar-lhe tudo o que se pode descobrir por aqui. Contudo, já posso lhe garantir que é Terra cheia de infância, que a gente sente o chão com os próprios pés e a vida com as próprias mãos.

Mas o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar essa gente toda, que tão apressada vive. E esta deve ser a principal semente que nela se deve lançar. Quanto mais imaginação, fantasia, curiosidade e fabulação, melhor é a base da arquitetura que vamos erguer ao longo da vida.

E desta maneira dou aqui a vocês, adultos, conta do que nesta Terra encontrei. E me perdoem se um pouco me alonguei. É que aqui dentro tem um desejo grande de que vocês não parem de brincar. Afinal, nunca somos adultos o suficiente para não sair e brincar com um amigo imaginário.

E pois que, adultos, é certo que por aqui eu vou permanecer. A vida sem brincadeira é cinza e é no colorido que eu quero viver. Esse lugar aqui é incrível. E é por isso que eu convido todos vocês a trazerem o seu pequeno para, junto comigo, descobrir com quantas imaginações se faz uma colônia de férias inesquecível!”

Vem com a gente viver as férias de 24 de Junho a 26 de Julho!

Preços e Planos

Nas férias, você pode frequentar a Vila do Brincar por hora (Atividades para bebês menores de 3 anos), por turno ou por semana

 

Pacotes de TURNOS AVULSOS

Durante a colônia de férias, o uso dos TURNOS AVULSOS estará sujeito à disponibilidade de vagas para o dia desejado.

Turnos 1 2-8 >8
Valor por turno 70 65 60

BrincaBê – Oficinas para bebês

Oficina avulsa: R$40
Pacote com 4 oficinas: R$150
Vagas limitadas!

Pacotes SEMANAIS

Os pacotes semanais equivalem a 1 turno por dia (horas corridas), sendo 4 horas pela manhã (8h às 12h) ou à tarde (13h30 às 17h30).

Semanas 1 2 3 4 5
Valor total 265 500 720 920 1050

Dança Materna

Aula avulsa: R$55
Mensalidade (4 aulas consecutivas): R$165
Vagas limitadas!

Musicalização para bebês

Aula avulsa: R$55
Mensalidade (4 aulas consecutivas): R$180
Vagas limitadas!

Confira a nossa programação de férias*

*A programação está sujeita a pequenas alterações